Como posso reagir a violência em um relacionamento?

16 dezembro, 2016

Como posso reagir a violência em um relacionamento?

Olá leitor! Tenho falado muito sobre violência, as condições sociais e econômicas que muitas mulheres enfrentam em seu cotidiano, feminicídio..., mas uma pergunta paira no ar: o que cada mulher pode fazer para enfrentar estas questões? Será que não existem alternativas que possam sobrepor esta realidade tão triste?

Ah tem sim! Fica comigo que vou esmiuçar alguns pontos que toda mulher precisa ter consigo seja dentro de um relacionamento amoroso ou em qualquer outra área da sua vida.




Em um livro denominado “ Como enfrentar à violência verbal” de autoria de Patrícia Evans, podemos encontrar uma lista que constituem os direitos básicos de qualquer relacionamento:

1.      O direito à aceitação por parte do outro
2.      O direito ao apoio emocional
3.      O direito de ser ouvida pelo outro e de ser correspondida com educação
4.      O direito de ter a sua própria opinião, mesmo que a do seu companheiro seja diferente
5.      O direito de ter sua experiência e seus sentimentos reconhecidos como verdadeiros
6.      O direito de receber o pedido de desculpas em virtude de quaisquer brincadeiras ofensivas
7.      O direito de viver livre de acusações e culpas
8.      O direito de viver livre de críticas e julgamentos
9.      O direito de ser encorajada
1.  O direito a viver livre de ameaças emocionais e físicas
1.  O direito de viver livre de acessos de raiva e fúria
1.  O direito de não ser xingada nem desvalorizada
1.  O direito de ser respeitosamente consultada e de não receber ordens

Você não tem o dever de aceitar o comportamento abusivo de alguém. Eu sei que posso estar pontuando algo que possa ser uma realidade distante para muitas mulheres. Mas se você consegue enxergar que seu relacionamento não é saudável de alguma forma, parabéns! Você já deu o primeiro passo!

Coloca aqui uma lista de direitos para quem a autoestima está sendo golpeada, pode ser colocar o carro na frente dos bois. Mas para falar a verdade, esta lista serve para te alertar sobre uma série de prerrogativas que são suas sim, mas que, de alguma maneira, eles foram sendo surrupiados pelos abusos de uma relação violenta.

Sei que, normalmente, as vítimas de relacionamentos abusivos carregam a culpa/responsabilização pela maneira como a relação se encontra. E isto é natural por que o desenrolar deste tipo de relacionamento é caracterizada pela internalização da culpa.




 Livra-se dela não vai ser um processo rápido. No entanto, quando você já enxerga a situação, possivelmente, sua próxima intenção será estabelecer limites. Neste momento, você vai acreditar de forma segura e confiável em suas percepções e sentimentos. Recuperar a confiança em suas emoções é fundamental. Você vai estar se apropriando de algo que você alienou para o parceiro.

Outro ponto a ser destacado é que você vai perceber que a pessoa não está agindo de maneira adulta e racional. Isso mesmo: o agressor está sendo infantil. Então, para que ele entenda sua insatisfação com este tipo de abuso, é necessário que você reaja como adulta que você é! 

Assim, fale num tom de autoridade e firmeza demonstrando sua seriedade na fala e que não vai aceitar mais o abuso.

Outra reação é se distanciar do agressor para que ele entenda o quanto ele está sendo imaturo. Pode ser que você pense: eu provoquei isto! Aconteceu tal ou qual coisa por que eu...! Perceba, antes de mais nada, que não é saudável viver em um relacionamento abusivo. Além disso, os sucessivos abusos trazem consequências nefastas para a sua vida.

Reagindo, você terá controle sua própria vida, poderá decidir por conta própria o que é melhor para si, perceberá que pode fazer mudanças em sua vida, que vale a pena se dedicar para uma vida mais segura, feliz e mais criativa. E acima de tudo que você é um ser humano valioso que merece respeito de qualquer pessoa.


No processo, você até poderá sentir tristeza pela perda de algo que pode ser até da relação em alguns casos mas vai descobrir habilidades e novos horizontes sobre si mesma que estavam esquecidos ou eram até mesmo desconhecidos.

Então, o recado que gostaria de deixar neste texto é que você é capaz de dar a volta por cima. Caso seja muito difícil fazer isso sozinha, procure ajuda. Erguer uma nova etapa da nossa vida requer ajuda para colocar tijolinho por tijolinho. 

A massa pode ser feita por amigos mas se o esforço for grande para você e seus amigos, também procure ajuda de um psicólogo. Ele tem a habilidade técnica mais indicada para deixar esta massa mais forte!


Se você tem sugestões ou críticas, por favor, deixe aqui nos comentários! Estou à disposição!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Por elas - Layout criado por WWW.GABILAYOUTS.COM.BR