Quando os pais estão ausentes(mas presentes!).

13 janeiro, 2017

Quando os pais estão ausentes(mas presentes!).

Olá leitor! Hoje venho falar sobre pai, maternidade, filho, etc. E escolhi este justamente por observar como esta figura ocupa um papel secundário na criação dos filhos. Não só na criação, mas se você perceber bem o papel paterno, constituímos uma série de adjetivos que remotam a algo distante, desconhecido, remoto e, até quem sabe, no mínimo, ausente. Será que isto é natural? Será que o homem foi programado biologicamente para ocupar este papel de auxiliar ou, no máximo, de provedor? Afinal o que realmente acontece?

Cabe antes fazer alguns esclarecimentos sobre algumas particularidades entre mãe e filho principalmente até os três anos de idade. Quando a criança nasce, a mulher se sente em um estado de fusão com o filho. E como se os dois fossem únicos e isto pode ser traduzido pela sensação de estranheza e de alerta as necessidades da criança. Com isso, alguns pais tentam se aproximar deste par e, em alguns casos, não conseguem. 

Mas isto é natural justamente por que a mulher está totalmente envolta neste estado de fusão como citei acima. O papel do pai, durante este momento, é fornecer apoio psicológico e intermediar a relação desta mulher com o mundo, ou seja, caberá a este homem desafogar a mulher das obrigações externas para que ela possa atravessar este momento.



Além disso, muitos homens não entendem por que a mulher não fica disponível para uma relação sexual ou como acontece, em alguns casos, muitas mulheres cedem as investidas do companheiro, principalmente depois da recuperação do pós-parto, para “cumprir seu dever como esposa” mesmo que se sintam feias, estranhas e sem nenhum apetite sexual. Aliás, muitas têm medo que o companheiro tenha relações extraconjugais caso não cedam as investidas ao marido. Em relação a este ponto, vou deixar aqui uma reflexão: será que já não existia algo na relação, antes mesmo da gravidez, que já não deixou terreno propício?

Retornando ao tema central, de maneira geral, até por volta dos 3 anos, o homem precisa ser companheiro e respeita os ritmos tanto da mãe como do filho. E, infelizmente, a depender do perfil do companheiro, as relações desandam e culminam no rompimento. O tempo de retorno da mulher tanto para as atividades no trabalho, com os amigos e outros círculos sociais bem como para o companheiro é outro. 



O ritmo exigido do mundo para esta mulher não está em sintonia com o seu tempo psicológico vivenciado na maternidade. E, neste sentido, o homem teria o papel de trazer esta mulher, aos poucos, para o mundo bem como realizar esta separação entre mãe e filho. Na ausência de um pai, ele poderia ser exercido por outras pessoas ou mesmo por atividades no mundo.

Mas esta figura paterna, no mundo contemporâneo, está mais ausente do que presente. Não ignoro aqui, de maneira nenhuma, como muitos homens estão cada vez mais próximos e presentes na criação dos filhos. Só que, infelizmente, seja pela falta de tempo consumido pelo trabalho seja por ainda acreditar que seu papel é unicamente corretivo, muitas mães se sentem sozinhas nesta jornada de criar seus filhos mesmo com um companheiro ao lado. Assim, se em um tempo não muito remoto, o pai era um exemplo vivo para os filhos, hoje ele se tornou uma imagem vaga que nunca está plenamente em casa.



E isto tem um custo para filhos, para a mulher e para o homem. Os filhos costumam ter uma imagem confusa e não-definida de quem é este pai. A mulher deixa de seguir seus projetos pessoais, abarcar oportunidades de trabalho e até mesmo a identidade e precisa atender as necessidades, desejos e regras estabelecidos por este pai mesmo que não esteja presente. E, neste cenário, a situação fica melhor para a mãe solteira, pois ela toma as decisões por conta própria e as dimensões sob sua responsabilidade estão localizadas entre mãe e filho.

Por fim, os homens acabam se tornando um estorvo, um peso e que precisa ser colocado ao lado. Alguns homens reclamam da exclusão e ou mesmo de como se sentem solitários mesmo tendo a mulher e os filhos ao lado. Isto por que ele não sabe exercitar este papel paterno. Sente-se como um intruso que não sabe o que fazer dentro de uma festa que não foi convidado.

Este texto não tem o objetivo de culpabilizar mãe, pai ou filhos, mas trazer uma realidade que precisa ser repensada dentro de uma relação. Que as mulheres permitam que estes homens participem deste momento e que os homens tenham o papel de cuidar e respeitar em este momento peculiar de sua companheira. Como a chegada de um filho é encarada como “ uma prova para a relação”, caso algo ocorra como uma relação extraconjugal ou um pedido de separação, podemos dizer que algo já não estava bem sintonizado antes da gravidez e, em um momento como este, tornou-se mais claro e evidente.

Espero que tenha ajudado e caso você conheça alguém que precisa ler este texto, repasse. Muitos pais e mães precisam deste apoio!

Grande Abraço! Fiquem em paz!

Karine David Andrade Santos

Psicóloga CRP-19/2460

Nenhum comentário

Postar um comentário

Por elas - Layout criado por WWW.GABILAYOUTS.COM.BR