Janeiro 2019

27 janeiro, 2019

Você se sente "uma coisa" em sua relação?


Olá mexs queridxs leitorxs! Tudo bem? Você já se relacionou ou teve contato com alguém que te tratou como se fosse objeto ou algo tipo? Que não te enxergou como um ser humano? Que desdenhou de seus sentimentos, necessidades e desejos? Se sua resposta foi afirmativa, é bem provável que você esteja diante de uma pessoa abusiva.

Como comentando no texto anterior, as pessoas abusivas costumam anular e sufocar as necessidades, vontades e desejos do seu par. Além de ser uma forma de controle e de exercício de poder, elas costumam ser menos afeitas a vê-los como um ser humano vivo com suas demandas físicas e psicológicas. Na realidade, os abusadores a enxergam como um objeto, uma posse e um território que precisa ser controlado e manejado para satisfação de seus desejos e necessidades. Este é o processo de coisificação.

A coisificação é algo facilmente identificado em relacionamentos abusivos. E ele será o disparador de comportamentos e atitudes que te fazem se sentir qualquer coisa, menos um ser humano. No entanto, para que esta engrenagem da coisificação se movimente, as pessoas abusivas costumam escolher a dedo com quem vai se relacionar. A escolha incide em parceiros ou parceiras que desejam agradar. E, com isso, possivelmente, estas pessoas costumam concordar com qualquer solicitação do par. Assim, ficará mais se submeter tanto ao processo de coisificação, como de controle.

Nesta relação, as pessoas abusivas  deformam as situações e costumam falar para o seu par que ele( ela) teve sorte em encontrá-la(o) e que deveria agradecer por ele (ela) ainda a quer. Usará de comentários e argumentos para que você se sinta mal e assim, te leva a agir e  a se comportar da maneira que ele quer. Nesta relação, você se sentirá que está perdendo a noção de quem é realmente. Afinal, a pessoa abusiva anulou suas particularidades enquanto ser humano.



De acordo  com Avery Neal, autora do livro “Relações Destrutivas”, a relação sexual é uma área que reflete este processo de coisificação. Assim, as mulheres costumam descrever o sexo da seguinte forma: vazio, como se o seu parceiro (sua parceira) não o visse, agressivo como se estivesse com raiva de você, os interesses dele é o que importam, o seu prazer não é importante, fica transtornado se você não faz o que ele quer e , por fim, age o tempo todo como se não gostasse de você, até te procurar para uma relação sexual.

Este retrato sobre relação sexual se estende para que o que acontece em outras áreas do relacionamento. Se ele não te respeita nesta área, é bem provável que ele vai te desrespeitar e ser abusivo com você em outras áreas da relação.

Uma relação saudável envolve a presença da voz ativa dos dois, liberdade para falar, sentem-se livres para falar de suas necessidades e desejos, tem sua vontade respeitada e levada em consideração e não há medo para recusas e exposição dos seus pontos de vistas. 

Se você que está lendo este texto, sente que está em uma relação em que estes elementos não estão presentes ou pouco desenvolvidos, sugiro que fique de antenas ligadas. É possível que você esteja em um relacionamento abusivo.

Bom, estamos ao final deste breve bato-papo. Espero que tenha ajudado e caso você conheça alguém que está passando por esta situação, compartilhe!;)

Até a próxima!

19 janeiro, 2019

Quando sei que estou sendo controlada(o) em um relacionamento abusivo?


Olá meus queridxs! Tudo bem? Você passou ou está em algum relacionamento amoroso ou não em que, aparentemente, não há nada que te motive a reclamar e até considera funcional mas que, por motivos inexplicáveis, sente que está ou foi sufocada, cercada ou mesmo tolhida em sua forma de ser? Então, é bem provável que esteja vivenciando um relacionamento abusivo.

Mas, afinal de contas, o que causa isto em um relacionamento desta natureza? Pois bem, hoje irei conversar com você sobre a principal característica de uma pessoa abusiva ou violenta em uma relação: o controle. Isto mesmo.  É justamente este o ponto de partida e a base que dinamizam uma relação abusiva. Isto quer dizer que as hábeis manipulações, os eventuais insultos e alterações de humor, bem como outros tipos que diminuem sua autoconfiança, visam justamente te controlar.

Você sente que há algo errado. No entanto, o seu parceiro tenta te convencer do contrário e assim, minimiza seus sentimentos ou te ataca. Ele vai tentar te mostrar que os seus sentimentos estão errados, ou pode falar que você está confusa ou equivocada ou, (este é um clássico) te chama de louca e insana. Além disso, a pessoa abusiva pode fazer uso de argumentos lógicos e isto fará com que você duvide de seus próprios sentimentos e, até mesmo, sinta culpa pelo que está sentindo.



Com isso, você tenta, de maneira desesperada, justificar seus sentimentos, sua forma de ser, suas experiências, suas escolhas, seu estilo de vida, seus amigos, sua família...tudo isto porque uma pessoa abusiva não permite que você tenha direito a sua própria experiência como ser humano e o principal artifício para te controlar é não te validar em nada.

E por que estas pessoas fazem isso? Vamos lá. Antes de mais nada, um abusador ou abusadora percebe como uma ameaça qualquer poder que você tenha. Seja autoconfiança, autoestima, realização profissional, seus próprios pensamentos desvinculados dos deles, sentimentos, enfim, qualquer forma de expressão que o (a) afaste do poder sobre você. Como esta pessoa precisa estar no poder o tempo todo, qualquer movimento que coloque em xeque esta posição deve ser eliminando ou reduzido.

Então como é que esta pessoa faz para ter esta sensação de que está sempre no poder? Bom, o principal meio é o monitoramento seja durante a relação ou mesmo, após o término ou afastamento. Se ele (ela) não souber onde você está, o que pensa, sente, com quem está interagindo, enfim, qualquer coisa relativa a sua vida, ele (ela) se desespera pois, teme perder o poder se não souber o que está acontecendo.


 De certa forma, ele (ela) projeta sua maneira de ser enganosa em você e assim, assume uma postura de incutir a culpa de todas  formas de controle exercidas sobre você.

Bom. Mas será que uma conversa aberta e franca  com a pessoa sobre o que está acontecendo pode resolver estes conflitos? Não trago boas notícias. Como uma pessoa está bastante apegada a questão do poder e controle em um relacionamento, possivelmente, ele(ela) não estará disponível para cooperar ou discutir seus sentimentos para os conflitos se resolvam. Até porque, para uma pessoa abusiva, seus sentimentos não importam. Para que ocorra cooperação, apoio e compreensão em qualquer relacionamento, é necessário que você se sinta segura para abrir e expressar seus sentimentos e isto só irá ocorrer se a outra parte estiver disponível e/ou realmente interessados em acolhê-lo de maneira franca e aberta.

E aí chegamos em um ponto fundamental de relações abusivas: a falta de intimidade. Ela acontece devido a ocultação de seus verdadeiros sentimentos pois, como estratégia de sobreviver a um relacionamento desta natureza, você passa a compartilhar sentimentos, desejos e pensamentos que a pessoa abusiva deseja ouvir.

Enfim, este é o final deste nosso rápido bate-papo. Agradeço por disponibilizar um pouco do seu tempo para ler este breve texto e espero que as questões trazidas aqui te ajudem de alguma maneira.
Se você conhece alguém que está passando por algo parecido, compartilhe.;)

Até a próxima semana!


Psicóloga CRP-19/2460, Psicodramatista e Mestre em Psicologia (UFS)
Karine David Andrade Santos
Psicóloga CRP-19/2460, Psicodramatista e Mestre em Psicologia (UFS)
Celular:  79 999192385
email:  psimulti@gmail.com
site:  www.eporelas.com.br
endereço:  Praça Tobias Barreto 510 Centro Médico Odontológico Sala 1210
                                                              

12 janeiro, 2019

Os caminhos sutis e tortuosos de um relacionamento abusivo


Olá meus queridxs leitores! Tudo bem? Hoje estou aqui para dar continuidade ao nosso bate-papo sobre relacionamentos abusivos. No texto anterior, eu abordei sobre sinais precoces deste tipo de relação. Porém, para muitas pessoas mergulhadas neste tipo de relação, identificar pode ser a parte mais complexa dada a sutileza que um relacionamento com estas características adota.

Além dos sinais precoces pontuados na nossa conversa anterior, em alguns relacionamentos, a pessoa abusadora adota um padrão tal sutil e velado de abuso que, muitas vezes, o alvo acredita que está exagerando ou fantasiando. Como isto acontece? Bom, os abusadores nem sempre são violentos, rudes ou externalizam outros comportamentos que afastem as outras pessoas. Muito pela contrário.

Ele pode ser uma pessoa amorosa, divertida, calorosa, envolvente, um bom pai, um bom amigo, mas…não se engane que, por trás desta máscara, há alguém com intenção de te dominar e controlar e para isso, é capaz de lançar de subterfúgios sutis e rasteiros. De que maneira? 

O abusador utiliza todo tipo de recurso e, inclusive, tem a capacidade de usar da simpatia, o carisma, o humor, a sedução e uma suposta bondade para te controlar e te dominar.



Veja que são táticas tão sutis, mas, ao mesmo tempo, eficazes para o abusador. E, por estas características, isto pode te deixar confusa porque você sente algo errado, porém, não consegue agregar elementos palpáveis para concretizar e apontar o comportamento abusivo em si. Além disso, é bom alertar que um potencial parceiro abusador não vai começa o relacionamento com comentários críticos, deboche, desqualificação ou algo do tipo. O progresso é gradual.

No entanto, com o passar do tempo, você percebe que ele te critica e faz comentários humilhantes e degradantes na frente dos seus conhecidos e familiares ou em circunstâncias inapropriadas. Você começa a ficar insegura com os aspectos criticados por ele tais como carreira, filhos, estudos, amor por si ou outro ponto que seja importante na sua vida.

Depois, o que não é incomum, ele pode “ te deixar na mão” quando você está doente ou tem alguma necessidade específica que precisa do apoio, carinho e atenção. Ou então você se sente em um tribunal em que precisa se explicar o tempo todo, por qualquer coisa e sob qualquer argumento. Eis situações típicas de um relacionamento abusivo.



Só que, apesar de tudo isso, em outros momentos, ele é exatamente a pessoa por quem se envolveu. E você se agarra a estas características positivas como se fosse uma tábua de salvação e com isso, não se atém aos sinais sutis e cíclicos do comportamento, arranja todo tipo de justificativa para o comportamento dele, racionaliza, ou até mesmo, pensa que ele tem razão e você é que está errada.

E esta forma de bater e assoprar te deixa confusa e atordoada e isto é muito eficaz para a pessoa abusiva. Porque é justamente este padrão de agir que faz com que ele te controle e domine, pois, você não saberá quem é realmente o seu parceiro, gastará energias na tentativa de agradá-lo ou de encontrar formas para manter o relacionamento dentro de um clima harmonioso e, quem sabe, realizará mudanças significativas na sua vida e em si ao longo do tempo com esta intenção. Enfim, todos estes movimentos terminam por deixá-la enredada no controle e domínio da pessoa abusiva.

Enfim, esta foi a prosa da semana e espero ter suscitado reflexões e ajudando a quem precisa. Caso você conheça alguém que precise deste breve texto, compartilhe ;)

Abraços e até a próxima!




Psicóloga CRP-19/2460, Psicodramatista e Mestre em Psicologia (UFS)
Karine David Andrade Santos
Psicóloga CRP-19/2460, Psicodramatista e Mestre em Psicologia (UFS)
Celular:  79 999192385
email:  psimulti@gmail.com
site:  www.eporelas.com.br
endereço:  Praça Tobias Barreto 510 Centro Médico Odontológico Sala 1210



04 janeiro, 2019

Sinais precoces de um relacionamento abusivo: eles existem?


Olá meus carxs leitorxs deste blog! Quanto tempo! Estava sumida devido a compromissos assumidos durante mestrado ao longo de 2017 e 2018 e, com o fim desta etapa, retomo o nosso bate-papo sobre relacionamentos abusivos, machismo e tudo o mais que povoa esta realidade tão corriqueira.

Por isso, peço licença para adentrar em seu espaço virtual e te convidar para o assunto em pauta que é: há possibilidade de identificar sinais precoces de um provável abusador(a) antes de iniciar um relacionamento, digamos, mais sério? Trago a palavra abusador neste texto para se referir a pessoas que são abusivas em seus relacionamentos de qualquer natureza. Mas foco neste texto serão os relacionamentos amorosos.

Pois bem. É possível sim.




 Mas, antes de trazer esta lista de forma resumida, traçarei alguns comportamentos e atitudes que nos dão o sinal de alerta para um abusador à vista. O primeiro sinal de alerta se refere, neste caso, a homens que defendem e adotam posturas estereotipadas e arraigadas sobre papéis femininos e masculinos. São aqueles que costumam traduzir e defender a relação entre homens e mulheres dentro de um padrão assimétrico, de concentração de poder das decisões dentro do relacionamento nas mãos masculinas e com isso, de submissão feminina às determinações do homem. São os famosos “machões de plantão”.

Trago este exemplo entre homem e mulher, mas o quadro pode ser aplicado para relacionamentos homoafetivos em que um dos pares propõe uma interação autoritária e de imposição de um papel submisso ao outro par. Além destas questões, também cabe ficar de “antenas ligadxs” para as piadinhas e comentários depreciativos acerca da mulher, de uma maneira geral.  Estes tipos de comportamentos e atitudes sinalizam que, em um futuro não muito distante, ele poderá te machucar seja física, seja psicologicamente por diferentes motivos pelo simples fato dele não te considerar como um ser humano em um patamar de igualdade, consideração e respeito.

Outro sinal para ficar de olhos bem abertos é para pessoas que não assumem a responsabilidade pelas suas ações. Compreendem ao tipo que sempre adota o papel de vítima nas situações, a culpa do que acontece na vida dele (dela) é do outro e deste modo, não assume a sua parte ou parcela de responsabilidade das ações ou decisões que realizam na sua vida. Bom, e qual é o perigo deste perfil? Muito bem. Provavelmente, em uma relação amorosa, a culpa por qualquer ocorrência negativa será sempre delegado ao outro. E, neste interim, a pessoa poderá distorcer a realidade, omitir fatos, manipular as informações e, até usar de artifícios enganadores para que a responsabilidade pelas circunstâncias na relação seja sempre sua, e não dele.



Um indício muito genuíno de um envolvimento com uma pessoa abusadora são os seus sentimentos que se mobilizam nas diferentes interações. Você percebe que alguma palavra ou atitude do outro te deixa desconfortável ou causa estranhamento? Sente que está pisando em ovos ao falar com ele (ela)? Identifica que se sente invadida, seja física ou psicologicamente, quando conversa com esta pessoa? Percebe que ele (ela) distorce o diálogo para que sempre tenha razão acerca do que estão conversando? Sente que você se omite ou não expressa seus pensamentos em sua plenitude?

Outra questão a ter cautela é sobre os relacionamentos intensos e que caminham rapidamente para um compromisso mais sério. Não é que todas as relações com estas características serão abusivas. Mas o perigo é que a intensidade das emoções vivenciadas ofusca a nossa capacidade de atentar para as questões pontuadas logo acima e com isso, caso um dos pares tenha o perfil abusivo, aí, possivelmente, o que era um conto de fadas pode ser transformar em uma versão mais dramática de Jogos Mortais.

Por fim, como prometido nesta conversa, trago uma lista de pontos de atenção extraída do livro “ Relações Destrutivas” de Averyl Neal:

  • ·         Ele é intenso e se envolve demais;
  • ·         Tem necessidade de contato constante;
  • ·         Considera o relacionamento muito sério em pouco tempo;
  • ·         É excessivamente simpático e não parece ser sincero;
  • ·         Monopoliza sua atenção ou a desencoraja a estar com outras pessoas, especialmente se perceber que não gostam dele;
  • ·         Fala de forma desrespeitosa de seus antigos relacionamentos;
  • ·         Tem uma história de não cooperação com os outros;
  • ·         É desrespeitoso com você;
  • ·         É controlador e possessivo;
  • ·         Pressiona por sexo;
  • ·         Ela a intimida quando está com raiva;
  • ·         Ele tem dois pesos e duas medidas;
  • ·         Trata você diferente na frente dos outros;
  • ·         Menospreza suas realizações ou metas;
  • ·         Nunca parece estar feliz com você, não importa o que você faça nem quanto se esforce;
  • ·         Constantemente questiona você e suas decisões.


Por fim, gostaria de deixar um recado: ame-se acima de tudo. Não permita que o outro te agrida seja por qual for motivo. Procure apoio dos amigos, familiares e, caso sinta necessidade, procure ajuda profissional de um psicólogo.

Fique bem!
Grande Abraço!


Karine David Andrade Santos
 Psicóloga CRP-19/2460, Psicodramatista e Mestre em Psicologia (UFS)
Celular:  79 999192385
 skype:  Karine David Andrade Santos
|endereço:  Praça Tobias Barreto 510 Centro Médico Odontológico Sala 1210
Por elas - Layout criado por WWW.GABILAYOUTS.COM.BR