Sinais precoces de um relacionamento abusivo: eles existem?

04 janeiro, 2019

Sinais precoces de um relacionamento abusivo: eles existem?


Olá meus carxs leitorxs deste blog! Quanto tempo! Estava sumida devido a compromissos assumidos durante mestrado ao longo de 2017 e 2018 e, com o fim desta etapa, retomo o nosso bate-papo sobre relacionamentos abusivos, machismo e tudo o mais que povoa esta realidade tão corriqueira.

Por isso, peço licença para adentrar em seu espaço virtual e te convidar para o assunto em pauta que é: há possibilidade de identificar sinais precoces de um provável abusador(a) antes de iniciar um relacionamento, digamos, mais sério? Trago a palavra abusador neste texto para se referir a pessoas que são abusivas em seus relacionamentos de qualquer natureza. Mas foco neste texto serão os relacionamentos amorosos.

Pois bem. É possível sim.




 Mas, antes de trazer esta lista de forma resumida, traçarei alguns comportamentos e atitudes que nos dão o sinal de alerta para um abusador à vista. O primeiro sinal de alerta se refere, neste caso, a homens que defendem e adotam posturas estereotipadas e arraigadas sobre papéis femininos e masculinos. São aqueles que costumam traduzir e defender a relação entre homens e mulheres dentro de um padrão assimétrico, de concentração de poder das decisões dentro do relacionamento nas mãos masculinas e com isso, de submissão feminina às determinações do homem. São os famosos “machões de plantão”.

Trago este exemplo entre homem e mulher, mas o quadro pode ser aplicado para relacionamentos homoafetivos em que um dos pares propõe uma interação autoritária e de imposição de um papel submisso ao outro par. Além destas questões, também cabe ficar de “antenas ligadxs” para as piadinhas e comentários depreciativos acerca da mulher, de uma maneira geral.  Estes tipos de comportamentos e atitudes sinalizam que, em um futuro não muito distante, ele poderá te machucar seja física, seja psicologicamente por diferentes motivos pelo simples fato dele não te considerar como um ser humano em um patamar de igualdade, consideração e respeito.

Outro sinal para ficar de olhos bem abertos é para pessoas que não assumem a responsabilidade pelas suas ações. Compreendem ao tipo que sempre adota o papel de vítima nas situações, a culpa do que acontece na vida dele (dela) é do outro e deste modo, não assume a sua parte ou parcela de responsabilidade das ações ou decisões que realizam na sua vida. Bom, e qual é o perigo deste perfil? Muito bem. Provavelmente, em uma relação amorosa, a culpa por qualquer ocorrência negativa será sempre delegado ao outro. E, neste interim, a pessoa poderá distorcer a realidade, omitir fatos, manipular as informações e, até usar de artifícios enganadores para que a responsabilidade pelas circunstâncias na relação seja sempre sua, e não dele.



Um indício muito genuíno de um envolvimento com uma pessoa abusadora são os seus sentimentos que se mobilizam nas diferentes interações. Você percebe que alguma palavra ou atitude do outro te deixa desconfortável ou causa estranhamento? Sente que está pisando em ovos ao falar com ele (ela)? Identifica que se sente invadida, seja física ou psicologicamente, quando conversa com esta pessoa? Percebe que ele (ela) distorce o diálogo para que sempre tenha razão acerca do que estão conversando? Sente que você se omite ou não expressa seus pensamentos em sua plenitude?

Outra questão a ter cautela é sobre os relacionamentos intensos e que caminham rapidamente para um compromisso mais sério. Não é que todas as relações com estas características serão abusivas. Mas o perigo é que a intensidade das emoções vivenciadas ofusca a nossa capacidade de atentar para as questões pontuadas logo acima e com isso, caso um dos pares tenha o perfil abusivo, aí, possivelmente, o que era um conto de fadas pode ser transformar em uma versão mais dramática de Jogos Mortais.

Por fim, como prometido nesta conversa, trago uma lista de pontos de atenção extraída do livro “ Relações Destrutivas” de Averyl Neal:

  • ·         Ele é intenso e se envolve demais;
  • ·         Tem necessidade de contato constante;
  • ·         Considera o relacionamento muito sério em pouco tempo;
  • ·         É excessivamente simpático e não parece ser sincero;
  • ·         Monopoliza sua atenção ou a desencoraja a estar com outras pessoas, especialmente se perceber que não gostam dele;
  • ·         Fala de forma desrespeitosa de seus antigos relacionamentos;
  • ·         Tem uma história de não cooperação com os outros;
  • ·         É desrespeitoso com você;
  • ·         É controlador e possessivo;
  • ·         Pressiona por sexo;
  • ·         Ela a intimida quando está com raiva;
  • ·         Ele tem dois pesos e duas medidas;
  • ·         Trata você diferente na frente dos outros;
  • ·         Menospreza suas realizações ou metas;
  • ·         Nunca parece estar feliz com você, não importa o que você faça nem quanto se esforce;
  • ·         Constantemente questiona você e suas decisões.


Por fim, gostaria de deixar um recado: ame-se acima de tudo. Não permita que o outro te agrida seja por qual for motivo. Procure apoio dos amigos, familiares e, caso sinta necessidade, procure ajuda profissional de um psicólogo.

Fique bem!
Grande Abraço!


Karine David Andrade Santos
 Psicóloga CRP-19/2460, Psicodramatista e Mestre em Psicologia (UFS)
Celular:  79 999192385
 skype:  Karine David Andrade Santos
|endereço:  Praça Tobias Barreto 510 Centro Médico Odontológico Sala 1210

Nenhum comentário

Postar um comentário

Por elas - Layout criado por WWW.GABILAYOUTS.COM.BR